Conteúdo sobre os leilões judiciais

O MANUAL DO BOM NEGÓCIO EM LEILÕES

 

Hoje, estamos trazendo para você o “Manual do bom negócio” no que diz respeito aos leilões judiciais.

Com todas as vantagens que se apresentam em leilões judiciais, muitos compradores podem se equivocar no momento de arrematar um bem, para que isso não aconteça com você, a Leilões Judiciais preparou algumas dicas para que você seja mais assertivo nas suas aquisições.

Primeiramente, deve-se sempre ficar atento às ofertas feitas pela página da leilões judiciais, lá será possível identificar as melhores oportunidades de negócios para você.

A segunda e mais preciosa dica é: Faça um estudo nos bens que se tem interesse em comprar.

Confira a descrição do bem no edital, verifique a situação do bem, se o mesmo tem impostos, condomínio ou outras dívidas que podem não cair após a arrematação, no caso de imóveis. No caso de veículos, verifique se o mesmo tem multas e demais pendências com o DETRAN que também podem não cair após a arrematação.

Visite o bem, considerando principalmente os possíveis investimentos que se farão necessários pós-aquisição. Com esses cuidados é possível que você tenha na cabeça um valor que não deve ser excedido nos seus lances para que esse arremate seja vantajoso para você. Isso pode parecer trivial, mas impede que você se perca no calor da situação e dê um lance que torne o negócio menos vantajoso.

Tenha em mente que o pregão é só o ponto final de um estudo realizado previamente. Assim como em qualquer investimento, o estudo é a chave para que suas expectativas de retorno sejam alcançadas.

Aproveite as dicas e bons negócios!

One Comment

  1. Prezado Dr. Serrano,
    Presenciei um caso de leilão em que a execução foi proposta pelo condomínio e penhorados “direitos e obrigações incidentes sobre” um apartamento sem registro imobiliário. O executado é o morador atual que deve ter feito um contrato de compra dessa unidade com a construtora. A avaliação foi feita como se tivesse sido penhorado o apartamento, tendo-lhe atribuído o valor de R$ 320.000,00. Aí eu pergunto: seu eu tivesse arrematado esse bem, quais seriam as possíveis consequências? Seria possível registrar a carta de arrematação?
    Desde já agradeço
    Att.
    Wêsley Henrique de Assis

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *